Setor produtivo defende infraestrutura como prioridade

Ativo 1 23 agosto, 2019

Representantes dos setores público e privado debateram, em São Paulo, a importância da infraestrutura para o desenvolvimento da economia e da competitividade do Brasil. secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura, Natália Marcassa, o diretor-geral da CMPC Brasil, Maurício Harger, e o diretor-geral da Intel Brasil, Maurício Ruiz, discutiram quais as ações necessárias para a melhoria dinfraestrutura nos âmbitos físico e digital. O debate aconteceu durante o Congresso Brasil Competitivo 2019, nesta quinta-feira, 22. 

O diretor-geral da CMPC Brasil, Maurício Harger, falou sobre a importância da infraestrutura para o ambiente de negócios no país. “Muitas empresas dependem do transporte de seus produtos para que os seus sistemas funcionem. Para a CMPC, por exemplo, a logística da madeira é um dos temas mais importantes atualmente. As plantações que temos são no interior, e toda a indústria seria inviável sem uma infraestrutura adequada”, disse. 

Harger ressaltou ainda a importância de aliar o desenvolvimento da infraestrutura e da indústria à sustentabilidade. Na sua visão, uma das soluções para esse dilema é formar parcerias entre os setores público e privado. “Se pudermos alinhar interesses públicos e privados em modais mais eficientes, e ainda olhar para a sustentabilidade, nós temos uma grande oportunidade”, comentou.  

A secretária Natália Marcassa expôs na sua apresentação as soluções que estão sendo propostas pelo governo para resolver os entraves na infraestrutura. Segundo Natália, um dos principais focos da gestão será a concessão de aeroportos, ferrovias e rodovias para a iniciativa privada“Hoje temos um planejamento e sabemos exatamente onde queremos chegar. Temos um orçamento de R$ 6 bilhões, que não dá para garantir nem as manutenções dos aeroportos, ferrovias e rodovias. Para isso precisaríamos de pelo menos R$ 9 bilhões. E por isso estamos concedendo-os para iniciativas privadas”, explicou. 

O diretor-geral da Intel Brasil ressaltou a importância de utilizar soluções modernas para os problemas brasileiros atuais. “No Brasil temos muitas mazelas que vêm do século passado. E tentamos resolver esses problemas com soluções do passado também. Mas, na verdade, precisamos ter uma visão do futuro. É preciso isso para que o Brasil ganhe uma competitividade mais avançada como existe em outros países”, afirmou. 

Maurício Ruiz também destacou que o Brasil necessita de uma infraestrutura que permita a aplicação de novas tecnologias, como o 5G, para que o país possa competir internacionalmente. “A tecnologia 5G é a internet das coisas, ter as coisas falando. Imagina colocar sensores na sua fábrica e não ter uma rede que funcione. Por isso precisamos modernizar a conectividade. E nós temos a preocupação de que ela funcione para todos os setores”, disse. 

Assessoria de Comunicação Social do MBC