Presidente da Microsoft prevê aumento de dados digitais já em 2020

Ativo 1 07 junho, 2019

“Quando o ano de 2020 chegar haverá 25 vezes mais dados digitais neste planeta do que havia no ano de 2010”. A declaração é do presidente da Microsoft, Brad Smith, durante o Seminário Inteligência Artificial na Transformação Digital, realizado pelo MBC em parceria com os ministérios da Economia, Ciência e Tecnologia no dia 21 de maio, em Brasília. Smith fez a palestra de abertura e destacou a importância sobre essa explosão massiva de dados que a inteligência artificial precisa trabalhar.

Segundo ele, a computação em nuvem tornou a capacidade computacional e os dados mais disponíveis para todo mundo. “Uma década atrás, se você quisesse vivenciar isso, se você quisesse criar um aplicativo baseado em IA, você teria que investir uma grande quantidade de hardware para realizar todo esse trabalho. Agora você não precisa mais. Você pode simplesmente acessar todos esses dados”.

Smith também destacou o avanço da IA quase como ciência, que é o deep learning. De acordo com ele, a essência do deep learning é reconhecer padrões, pensar sobre como os seres humanos aprendem a reconhecer padrões e fazer previsões sobre o que acontecerá ou o que é certa coisa. Todo esse processo desperta questionamentos como: Estamos criando um futuro que podemos controlar? Vamos criar um futuro que tenha emprego para nós e para nossos filhos?

O advogado enfatizou os seis princípios éticos da empresa: justiça, segurança, privacidade, inclusão, transparência e accountability.  Smith fez questão de mostrar a experiência que a Microsoft desenvolve no Brasil e o poder potencial transformador da inteligência artificial, com iniciativas como o AI for Good, em parcerias com ONGs como SOS Mata Atlântica e Mães da Sé, de São Paulo.

Durante o Seminário, Brad Smith anunciou o investimento nessas duas organizações. “Ajudar a acelerar o trabalho de organizações como a SOS Mata Atlântica é a razão pela qual lançamos o programa AI for Earth. Temos o prazer de anunciar a aprovação com sucesso deste pedido de investimento e estamos ansiosos para ver o progresso do projeto em direção a rios mais limpos e a um Brasil mais saudável”, disse Brad Smith, presidente da Microsoft. “A parceria entre Mães da Sé e a Microsoft é um poderoso exemplo de como podemos aplicar a tecnologia para ajudar a resolver grandes desafios em nossa sociedade”, disse. A plataforma utiliza os serviços cognitivos, inteligência artificial e armazenamento em nuvem do Azure, da Microsoft. Com ela, é possível identificar uma pessoa em situação de suspeita de abandono por meio de reconhecimento facial. Basta que o usuário faça uma foto da pessoa e compare sua fisionomia com o banco de dados da ONG. O app fará a busca e mostrará se as características são compatíveis com alguém que está desaparecido. Além disso, será possível buscar pessoas por características físicas (cor da pele, cabelo, olhos).

Segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas e encomendado pela Microsoft, o uso de IA deve impulsionar o PIB brasileiro em 6,43% nos próximos 15 anos com a adoção da tecnologia no país. “O desenvolvimento de um novo cenário com a presença da IA gera ansiedade sobre o futuro. Nós entendemos isso. Muito se pergunta sobre como serão os empregos na próxima década e, por meio de nossos pilares éticos para o desenvolvimento dessa tecnologia, enxergamos que a IA deve gerar novas posições de trabalho em poucos anos. O resultado desse processo é um ganho econômico conforme apontado pela pesquisa, tanto no Brasil como no mundo”, explicou.

Assessoria de Comunicação do MBC