Políticos defendem consenso para o Brasil voltar a crescer em debate promovido pelo MBC

Ativo 1 04 dezembro, 2017
 A saída para a crise passa pela política e depende de um consenso suprapartidário que permita transformar as eleições de 2018 numa oportunidade para alavancar o desenvolvimento do Brasil. Essa foi a conclusão do Encontro Anual 2017 do MBC (Movimento Brasil Competitivo), realizado nesta segunda-feira, 4, em São Paulo.

O anfitrião foi o presidente executivo do MBC, Claudio Gastal, que defendeu o diálogo entre os setores público e privado como condição para o país retomar o crescimento. “No calor das redes sociais, do debate muitas vezes surdo, está faltando serenidade. Precisamos buscar mais consenso”. Segundo ele, é um erro discutir os rumos do Brasil negando a política. “Nós acreditamos que o MBC tem que ser um espaço para discussão da política”.

O MBC promoveu um debate, que começou com uma apresentação do economista e cientista político Ricardo Sennes. Ele criticou o que chamou de “fragmentação política exacerbada” do país e o “presidencialismo de hipercoalizão”. Disse que o Brasil, em termos de política institucional, praticamente não avançou em relação aos anos 80.

“Nossa crise é eminentemente política”, disse o ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que defendeu o enfrentamento de alguns problemas, como o fortalecimento do ambiente de negócios. Segundo ele, inúmeras iniciativas podem ser tomadas porque existe um “potencial enorme para parcerias do setor privado com o setor público”.

Outro ex-ministro presente ao evento, Aldo Rebelo, disse que o país tem que se unir em torno da questão nacional, que é “muito mais ampla do que ser de esquerda ou de direita”. No debate, mediado pelo jornalista Rui Nogueira, Rebelo criticou a “agenda de certas instituições que querem substituir a política”.

Uma das falas mais incisivas sobre a situação vivida pelo país foi do governador do Espírito Santo, Paulo Hartung. “Todo muito que tem bom senso não tem orgulho do momento que vivemos”, disse o governador, que enxerga “uma baita crise da democracia representativa”.

Hartung fez um apelo por racionalidade para que se possa “remontar o eixo do Brasil” e citou exemplos da história política recente: a redemocratização, o Plano Real e a Carta aos Brasileiros na campanha eleitoral de 2002. Segundo ele, são exemplos de momentos em que as forças políticas conseguiram superar suas diferenças em prol de uma agenda para o país. “Que bom será se em algum momento, em julho ou agosto de 2018, as forças políticas toparem se comprometer com um acordo pelo avanço do Brasil”.

João Amoêdo, um dos fundadores do Partido Novo, concordou que o Brasil precisa de um consenso, mas fez duas ressalvas. Uma delas é que esse objetivo “não pode prevalecer ou ser superior à busca pela melhor solução para o progresso do país”. A outra é que a busca pelo consenso costuma deixar uma conta para o cidadão brasileiro, como aumento de impostos e perda de liberdade.

O governador de Goiás, Marconi Perillo, afirmou que os futuros candidatos à Presidência precisam defender uma “agenda mínima” para que possam chegar ao Palácio do Planalto sabendo o que vão fazer, aprovando reformas que “definitivamente mudem o país para melhor”. Ele defendeu a importância de focar em temas como produtividade, privatizações e redução dos gastos públicos, inclusive a quantidade de senadores e deputados.

Mais Gestão

Claudio Gastal enfatizou também a importância da plataforma Mais Gestão, que agora reúne as soluções de governança e gestão pública do MBC. A ferramenta contêm três modelos: o de ações autoaplicáveis é utilizado diretamente por estados e municípios por meio de manuais e conteúdos virtuais; o de desenvolvimento permite que as administrações públicas implementem os programas individualmente ou em grupos, com apoio presencial de especialistas do MBC; e o terceiro modelo oferece aos governos especialistas em gestão pública atuando de forma presencial, intensa e permanente. Acesse maisgestao.org.br e conheça alguns casos.

Assessoria de Comunicação Social do MBC