Governo anuncia investimento de R$ 130 bilhões em projetos de habitação, infraestrutura e energia

Ativo 1 09 novembro, 2017

O governo federal anunciou nesta quinta-feira, 9, o Projeto Avançar, um plano para investir, até o final de 2018, um total de R$ 130,97 bilhões em 7.439 projetos nas áreas de energia, infraestrutura, defesa, habitação, mobilidade urbana, saneamento e petróleo e gás.

Esses recursos serão destinados a projetos já em andamento ou então a obras que estavam paradas. Pelo menos parte deles já estava prevista no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que era considerado vitrine dos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Entre os projetos que faziam parte do PAC e que estão agora no Avançar estão obras da ferrovia Norte-Sul; dragagem no porto de Paranaguá, no Paraná; obras na avenida perimetral entre Macuco e Ponta da Praia, no porto de Santos (SP); a linha 2 do metrô de Salvador (BA); e a urbanização da Vila do Mar, em Fortaleza (CE).

O Avançar empacota uma série de iniciativas que estão sendo tocadas por diferentes ministérios, como os leilões de rodovias e os projetos de habitação do Minha Casa, Minha Vida. Nem todo o investimento estimado até 2018 é novo. Para pelo menos uma parte das 7.439 obras, o repasse do dinheiro já foi feito.

De onde vêm os recursos?
O anúncio de investimentos ocorre num momento em que o governo adota medidas para controlar os gastos públicos e de aperto fiscal por conta da crise econômica, que se refletiu em queda da arrecadação.
O governo informou que recursos para as obras virão de três fontes:

R$ 42,1 bilhões do orçamento geral da União;
R$ 29,9 bilhões da Caixa Econômica Federal, do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES);
R$ 58,9 bilhões de empresas estatais do setor de energia, em especial da Petrobras.
Segundo o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, foram incluídas no Avançar as obras que o governo considera prioritárias. Por conta disso, afirmou ele, essas obras terão o repasse de recursos garatido no orçamento.
Infraestrutura

O programa prevê a construção de 970 quilômetros de rodovias, a duplicação de 511 quilômetros, e a assinatura de contratos para recuperação e manutenção de 52.200 quilômetros de estradas. Entre as obras desse setor estão:
Construção do rodoanel norte, em São Paulo
Duplicação da BR381, em Minas Gerais
Pavimentação da BR-163, no Pará
Duplicação da BR-101, em Alagoas
Duplicação e segunda ponte do Guaíba, na BR-116, no Rio Grande do Sul
Duplicação e adequação da BR-163, entre Gaíra e Marmelândia, no Paraná
Duplicação da BR-493, no Rio de Janeiro
Duplicação da BR-163 e BR-364, no Mato Grosso

No setor ferroviário, a previsão é construir 898 quilômetros da extensão sul da Norte-Sul.

O governo anunciou ainda obras em aeroportos de nove capitais e em 27 aeroportos regionais. As intervenções envolvem recuperação de pista e compra de equipamentos. Entre os aeroportos beneficiados estão:

Vitória (ES)
Maringá (PR)
Vitória da Conquista (BA)

Há ainda a previsão de obras em 11 terminais portuários e em hidrovias. Foram anunciadas a construção de 6 hidrovias, a recuperação e manutenção de 1.086 quilômetros de hidrovias e a sinalização de outros 2.190 quilômetros.

Mobilidade e sociais

O programa prevê ainda investimentos em 15 empreendimentos no setor de mobilidade urbana, sendo:
26,7 quilômetros de BRTs
162,8 quilômetros de corredores exclusivos de ônibus
22 quilômetros de metrô
23 quilômetros de linhas de VLT

Fonte: G1